Especialidade > ABAprendiz

.

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO APLICADA (ABA): A CIÊNCIA EFICAZ NOS CASOS DE AUTISMO E ATRASOS NO DESENVOLVIMENTO


A Análise do Comportamento é uma ciência que vem sendo estudada há mais de 50 anos e que mostra através de seus experimentos que o comportamento humano pode ser modificado de acordo com a sua consequência. Os princípios do comportamento nos mostram que diferentes tipos de consequências aumentam ou diminuem a probabilidade de comportamentos ocorrerem futuramente, mas isso, vai depender se a consequência foi reforçadora. Digamos que uma criança chora porque quer um brinquedo e os pais entregam-no a ela deduzimos então, que a probabilidade da criança chorar novamente quando quiser o brinquedo será aumentada, sendo assim, os pais reforçaram o comportamento de chorar da criança.

 
ABA (Applied Behavior Analysis) Análise do Comportamento aplicada é a aplicação da ciência, onde estratégias são criadas para que o indivíduo aprenda de maneira mais prazerosa e efetiva, uma vez que a aprendizagem é um dos processos comportamentais estudados pela AC. Através de observações e testes é possível conhecer as necessidades de aprendizagem do indivíduo e a partir daí montar um programa de ensino específico, que promova o desenvolvimento de habilidades sociais, comunicativas, cognitivas, acadêmicas, dentre outras.  Vale ressaltar que esta aprendizagem é estimulante e divertida e que reforçadores são utilizados para que o comportamento de aprender seja mantido. Para B. F. Skinner, o cientista do comportamento e do aprendizado e fundador da Análise do Comportamento como disciplina científica, ensinar é o “(…) arranjo de contingências de reforçamento sob as quais os alunos aprendem. Eles aprendem sem ensino nos seus ambientes naturais, mas os professores planejam contingências especiais para otimizar a aprendizagem, acelerando a aprendizagem de comportamentos que se daria mais lentamente, certificando-se da aprendizagem de comportamentos que, em outras condições, não ocorreria.” (The technology of teaching, p. 64-65). O que Skinner quis dizer com isso? Ele alertou que para que o processo de ensino/aprendizagem aconteça, é necessário planejar maneiras de ensinar que sejam significativas e prazerosas para o aprendente.


Indivíduos com Autismo e outros atrasos no desenvolvimento apresentam resultados expressivos quando submetidos a terapias que tem como base a ABA, adquirindo várias habilidades e tendo um vínculo positivo com o aprender, seja qual for o repertório que precisa adquirir: na linguagem, nas interações sociais ou Pedagógicas. Os momentos de terapia são divertidos com foco nas reais necessidades daquele que aprende, através do Ensino por Tentativas Discretas que divide em pequenas unidades o que será ensinado até que o paciente alcance o objetivo final e o Ensino Incidental que parte do que o indivíduo gosta de fazer/brincar para assim proporcionar o ensino.
Aprendizagem e motivação são parceiras inseparáveis e devem estar de mãos dadas nos momentos de terapia e intervenção. Que tal aprender assim?

 

Por Daniela de Mendonça Mendes
Pedagoga,  Psicopedagoga
Coach e Especializanda em ABA.